Home > Chapéu/Calçado > Qualidade > Chapéus Panamá
Contato

Radar

Confeccionado em couro.

Mais fotos do modelo

Cury Western

Arizona II Confeccionado em pêlo e lã.

Mais fotos do modelo

Radar hat 20x

Copa quadrada

Mais fotos do modelo

Shantung

Mais fotos do modelo

Dallas Juta Social

Mais fotos do modelo

Ramenzoni Cavalgada

Pelo e lã

Mais fotos do modelo

Pralana Yankee Boss II

Mais fotos do modelo

Ramenzoni XXX

100% Pêlo de lebre

Mais fotos do modelo

Pralana "João Carreiro & Capataz"

Exclusivo chapéu da dupla João Carreiro & Capataz, produzido pela Pralana com levíssimo material importado.

Mais fotos do modelo

Chapéu Cangaceiro

Mais fotos do modelo

Chapéus Panamá PDF Imprimir E-mail
Escrito por Márcio Eiras   
Sex, 18 de Janeiro de 2013 22:01

Classificação

Existem várias gradações para classificar um chapéu Panamá, e esta gradação tem a ver com as fibras com as quais os chapéus são feitos e a quantidade de tramas com as quais são feitos.

 

 

Quanto mais tramas, mais finas e mais firmes forem as tramas do seu Panamá, mais lindo e mais caro ele fica.

 

Um Panamá genuíno é fabricado no Equador com a palha da planta Carludovica Palmata.

 

Como o verdadeiro "sombreros de paja toquilla" são feitos

 


Tudo começa com a busca por cogollos, os fechados gomos centrais da folha de palma toquilla, Carludovica palmata. Após os cogollos maduros serem encontrados, eles são, então, divididos em tallos, onde estão as fibras exteriores resistentes.

Os tallos são então fervidos durante um minuto, secos e branqueados em uma caixa de madeira. Enxofre desintegrado, é o agente de branqueamento, sob a caixa são colocadas brasas acesas. Após o branqueamento, os tallos são então cortados para o comprimento adequado e, em seguida, novamente divididos pelo tecelão.

Um tecelão em seguida, seleciona quatro pares para começar a plantilla, o topo do chapéu.

 

Começando a tecelagem

 

 

Isto irá continuar até que seja grande o suficiente para ser colocado sobre um bloco de chapéu. A partir de então o tecelão trabalha na copa, ou coroa.


José Espinal, Mestre tecelão

 

A copa tem agora altura suficiente para alcançar o fundo do bloco de chapéu. E o tecelão ppode, agora, começar a borda. Quando a borda terminada, em um tamanho adequado, um rematador termina a borda, tecendo os tallos de volta para dentro do chapéu.

Em seguida, mergulha o chapéu numa panela rasa de água para amaciá-lo e aperta a borda, puxando as fibras em três revoluções sucessivas de modo a não franzir a aba ou distorcer. Após este trabalho, ele entrega o chapéu para um cortador que faz um corte inicial de pontas soltas, lavagens e seca ele que volta para o processo...

 

O Apaleador suaviza o chapéu

... E depois dá-lo ao apaleador que bate o chapéu com um martelo de madeira para amaciá-lo, aplicar o pó de enxofre durante todo o tempo para clarear novamente. O chapéu é, então, cuidadosamente passado por um planchador e formatado.

Finalmente, uma carneira e fita (banda) são adicionados por uma costureira.

 

Quanto mais fino o tecido, mais tempo é preciso para confeccionar um chapéu. Todo o processo de fazer um chapéu único de alta qualidade podem requerer sete ou mais diferentes artesãos. Um bom chapéu pode ser distinguido de uma qualidade inferior pelo número de vueltas (rotações circulares) na sua coroa, um elevado número de tramas por polegada, (até 900 nos superfinos), cor uniforme, translucidez e resistência.


Uma das formas tradicionais de medição de um "Panamá" de qualidade é segurar o chapéu contra a luz e contar o número de "Vueltas" ou anéis que são visíveis no interior da coroa. Os anéis são criados quando novos filamentos de palha são adicionados ao tecido, o que significa que, com um maior número de toques a trama é mais fina e mais apertada.

 

Diz-se entre os chapeleiros que:

"um chapéu de qualidade pode conter água e, quando enrolado para guardar pode passar por um anel de casamento."

 

Mas pode passar no teste do mercado moderno?

Considerando a quantidade de chapéus de palha visto nas passarelas e revistas de moda nos últimos anos, parece que a indústria está em um caminho sólido.

Não é assim, na verdade. Com a importação de produtos baratos, produzidos em larga escala, em papel na China, o chapéu genuíno versão equatoriana artesanal pode em breve ser uma coisa do passado. Para completar, há uma forte concorrência dentro do próprio país. Chapéus Cuenca, embora de alta qualidade, muitas vezes são vendidos como Montecristis; apenas 1% são autênticos. A esperança, porém, encontra-se nos esforços do governo para estabelecer uma denominación de origen (certificado de origem) bem como aqueles que acompanham um autêntico champanhe, tequila ou mezcal.

 


Enquanto a casa do chapéu de palha Panamá é indiscutivelmente a cidade de Monticristi no Equador, a cidade de Cuenca e aldeias vizinhas como SigSig, tornaram-se as áreas onde chapéus são enviados para o acabamento.

Porque Monticristi é uma cidade costeira e o dia de trabalho é muito menor e mais cansativo, mas a altitude de Cuenca permite um dia de trabalho muito mais confortável e, assim, muito mais produtivo.

 

Acabamento em Sigsig (Aqui, vemos a costura da fita "banda")


Ela está fazendo isso por muitos anos e ela é ótima no que faz. Pode não parecer um grande negócio quando se trata do hatband, mas, por experiência pessoal, saiba-se que faz uma enorme diferença na maneira como o chapéu parece, e mais importante a forma como ele se encaixa na sua cabeça!

Este chapéu está pronto para retoques. Ele pode passar por várias etapas ainda. A borda do chapéu deve ser feito de uma certa maneira de manter-se liso ou franzido.

 

 

Estes chapéus nunca devem ser "dobrados", pois isso será mais do que provável de quebrar a palha, levando a danos no chapéu.

Enrolar o chapéu, quando a palha está seca, é a maneira correta de preparar o chapéu para viagem ou o armazenamento.

Devido à forma como os chapéus são feitos, se molhar não danifica o chapéu, e um pouco de umidade é aconselhável antes de rolar o hapéu, para fazer o chapéu, o certo é a palha não estar muito seca!

Os  Chapéus Panamá mais baratos não são aconselháveis ​​para enrolar, pois, não há material suficiente para criar o número de toques para dar corpo suficiente ao chapéu, para enrolar.

Talvez uma das características mais proeminentes do chapéu de palha Panamá é que pode ser enrolada para viagens, ao contrário de qualquer outro chapéu de palha.

 

Veja a comparação do grau Select com um Superfino. O grau é medido pelo número de tramas por polegada quadrada.



Um Select tem entre 200-300 tramas (esquerda) e um Superfino pode ter até 800-900 tramas por polegada quadrada.


São características de qualidade de um Chapéu Panamá Superfino sua capacidade de não deixar a água passar por suas tramas e quando enrolado poder passar por um anel de casamento!

 


Mesmo as classes mais baixas de Chapéu Panamá pode ser enrolado para caber em uma caixa para o transporte, que é a característica singular única do Chapéu Panamá.

 

 

Fontes:

Ecuador Wonders

Kaufmann Mercantile


Última atualização em Ter, 19 de Março de 2013 13:04
 
Copyright © 2018. JR Chapéus e Calçados. Designed by Shape5.com