Home > Vida Country > Moda Country > Natal Sertanejo
Contato

Radar

Confeccionado em couro.

Mais fotos do modelo

Cury Western

Arizona II Confeccionado em pêlo e lã.

Mais fotos do modelo

Radar hat 20x

Copa quadrada

Mais fotos do modelo

Shantung

Mais fotos do modelo

Dallas Juta Social

Mais fotos do modelo

Ramenzoni Cavalgada

Pelo e lã

Mais fotos do modelo

Pralana Yankee Boss II

Mais fotos do modelo

Ramenzoni XXX

100% Pêlo de lebre

Mais fotos do modelo

Pralana "João Carreiro & Capataz"

Exclusivo chapéu da dupla João Carreiro & Capataz, produzido pela Pralana com levíssimo material importado.

Mais fotos do modelo

Chapéu Cangaceiro

Mais fotos do modelo

Natal Sertanejo PDF Imprimir E-mail

 

Bem diferente é o Natal de minha terra
Deste Natal que faz o povo da cidade
Papai Noel não vem montado num trenó
Por sobre as nuvens pelo céu da imensidade
Papai Noel é nosso pai com seu trolinho
Cheio de frutas e amor no coração
O pinheirinho de natal é o nosso ipê
Amarelinho com as flores de verão

 

A capelinha lá no alto da colina
Toda enfeitada quando é noite de Natal
Deixa cair por sobre vales e campinas
A nostalgia de seu canto celestial
Missa do galo, meia-noite até parece
Lindo presépio onde Deus com seus pincéis
Pintou os campos igual um tapete verde
Por onde passa a procissão de seus fiéis

 

Ficou na infância encalhado meu trenó
Sobre uma estrela na distância de meu tempo
Porque não pude arrastar no chão da vida
Toda esta carga de amargura e sofrimento
Voltei correndo pela estrada do passado
Lá até onde alcançou meu pensamento
Hoje recolho os retalhos da lembrança
Antes que caia no vazio do esquecimento

 

Paz de caminhos que se cruzam pelos campos
Dia de encontro, de amigos e parentes
Era no dia de Natal que eu esperava
A prima Júlia e também o tio Vicente
Eles traziam presentinhos para todos
Para a maninha um vestido de tergal
O meu presente era uma bola de borracha
Para brincar com a criançada no quintal

 

Um “não sei quê” de alegria me envolvia
Hoje lembrando outra vez me vi menino
Levou-me o tempo, mas ainda vive preso
Parte de mim naquele clima natalino
Aquele gosto de avelã num fim de tarde
Aquele cheiro de pão doce no fogão
E o presépio que papai ornamentava
Junto a uma gruta feito com papel crepom

 

Eu esqueci meu sapatinho na janela
E cavalguei na estrela clara da manhã
E hoje vejo com os olhos da saudade
Papai, mamãe, os meus irmãos, minhas irmãs
Vejo a mãezinha preparando a nossa ceia
A enxugar a sua mão no avental
Da chaminé branca fumaça transmitia
Paz de sertão na noite calma de Natal

 

 

José Fortuna

 
Copyright © 2018. JR Chapéus e Calçados. Designed by Shape5.com